Follow by Email / Siga por email

segunda-feira, julho 23, 2007

"Contos que Curam"


" Galeria Matos Ferreira - Rua Luz Soriano, 14 e 18 Lisboa "

Caros Amigos e Visitantes estarei na Galeria Matos Ferreira próximo da Saída do Metro Baixa Chiado - Largo do Camões. No dia 26 Quinta Feira pelas 21.30 com a Palestra " Contos que Curam " .

Até 5ª Feira

Um Abraço

sábado, julho 21, 2007

" Processo à Luz "


www.ashistoriasdailda.no.comunidades.net/

Eis que um dia a escuridão se apercebeu de que a Luz cada vez lhe roubava mais terreno, então, decidiu pôr-lhe um processo no tribunal.
Tempo depois, chegou o dia marcado da audiência. A Luz presonificou-se na sala antes da escuridão. Chegaram os respectivos advogados e o Juiz. Passaram uns minutos mas a escuridão não apareceu...
Finalmente, o Juiz, já farto de esperar, apresentou o seu veredicto a favor da Luz. O que teria acontecido à escuridão para não aparecer?
Como era possível que a escuridão tivesse interposto um processo e não tivesse comparecido?
Todos estavam espantados pela ausência dela. Mas a explicação era simples: A escuridão estáva à porta, mas não se atreveu a entrar porque sabia que seria dissipada pela Luz no mesmo instante.


*** Bom Final de Semana e muitos Pensamentos e Emoções Positivas ***

terça-feira, julho 10, 2007

" O Pote Rachado "



A História que se segue faz parte das muitas que conto, hoje lembrei dela...
Deixo-a como Presente aos Grandes Amigos que entram nesta casa todos os dias.

Havia na Índia um carregador de água que transportava - em ambas as pontas de uma vara que levava atravessada no pescoço - dois potes grandes de barro.
Um dos potes tinha uma racha e o outro era perfeito.
O pote perfeito chegava sempre cheio ao final do longo caminho que ia do poço até à casa do patrão.
Mas o pote rachado chegava apenas com metade da água.
E assim, durante dois anos, o carregador entregou diariamente um pote e meio de água em casa do seu senhor.
O pote perfeito, é claro, estava orgulhoso do seu trabalho.
O pote rachado, porém, estava envergonhado da sua imperfeição. Sentia-se miserável por apenas ser capaz de realizar metade da tarefa a que estava destinado.
Depois de perceber que, ao longo de dois anos, não tinha passado de uma amarga desilusão, o pote disse um dia ao homem, à beira do poço:
- Estou envergonhado e quero pedir-te desculpa. Durante estes dois anos só entreguei metade da minha carga, porque a minha racha faz com que a água se vá derramando ao longo do caminho. Por causa do meu defeito, tu fazes o teu trabalho e não ganhas todo o salário que os teus esforços mereciam.
O homem ficou triste com a tristeza do velho pote, e disse-lhe com compaixão:
- Quando voltarmos para casa do meu senhor, quero que repares nas flores que se encontram à beira do caminho.
De facto, à medida que iam subindo a montanha, o pote rachado reparou em que havia muitas flores selvagens à beira do caminho e ficou mais animado.
Mas no final do percurso, tendo-se vazado mais uma vez metade da água, o pote sentiu-se mal de novo e voltou a pedir desculpa ao homem pela sua falha.
Então, o homem disse ao pote:
- Reparaste em que, ao longo do caminho, só havia flores de teu lado? Reparaste também em que, quando vínhamos do poço, todos os dias, tu ias regando essas flores? Ao longo de dois anos, eu pude colher flores para ornamentar a mesa do meu senhor. Se tu não fosses assim como és, ele não poderia ter essa beleza para dar graça à sua casa.


(Autor desconhecido)

terça-feira, julho 03, 2007

Sebastião da Gama - O poeta beija tudo


* Entre muitos outros Poetas creio ser importante relembrar Sebastião da Gama nesta composição de Palavas que tanto ensinam...*


O poeta beija tudo, graças a Deus... E aprende com as coisas a sua lição de sinceridade...

E diz assim: "É preciso saber olhar..."

E pode ser, em qualquer idade, ingénuo como as crianças, entusiasta como os adolescentes e profundo como os homens feitos...

E levanta uma pedra escura e áspera para mostrar uma flor que está por detrás...

E perde tempo (ganha tempo...) a namorar uma ovelha...

E comove-se com coisas de nada: um pássaro que canta, uma mulher bonita que passou, uma menina que lhe sorriu, um pai que olhou desvanecido para o filho pequenino, um bocadinho de sol depois de um dia chuvoso...

E acha que tudo é importante...

E pega no braço dos homens que estavam tristes e vai passear com eles para o jardim...

E reparou que os homens estavam tristes...

E escreveu uns versos que começam desta maneira: "O segredo é amar..."


* Ao entrar num Site http://aaldeia.net dei com este e outros demais que tanto amo. Logo lembrei de o aqui deixar como Presente aos demais Irmãos da Palavra e do Educar que tanto me visitam. Obrigado *