Follow by Email / Siga por email

quinta-feira, maio 31, 2007

De Boca a Boca...

www.ashistoriasdailda.no.comunidades.net/
É de interesse usar uma voz que fala desde um lugar. Essa voz é, simultaneamente, uma fala sobre este ou outro lugar, sobre o sujeito que fala, seus grupos, sua rede de relações e sobre a sociedade. É uma fala histórica, que dialoga com outras vozes: Com a voz do pesquisador, com as "culturas" a que este pertence, sua classe social e gênero, por exemplo, com sua própria história, e com inúmeras outras instâncias, cujas determinações nem sempre podemos traduzir. Na confluência destes diversos "lugares" e a partir de um conjunto particular de vivências. Diferencia-se do que é colectivo, plural, generalizável e, ao mesmo tempo, identificando, fazendo parte, reflectindo, sendo justificado por ele. Nesta relação revelam-se as múltiplas determinações que constróem o sujeito e o seu contexto, inseparáveis e indispensáveis.
A subjetividade do sujeito coloca-se face às objetividades do seu contexto social ou então, numa nova perspectiva, a vivência concreta de um sujeito específico, face às possibilidades de um universo cultural mais amplo, no qual se insere e dele incorpora significados. Dessa lente, que vai do foco ao panorama e vice-versa, Criança - Idoso poderemos contemplar sistemas diferentes e ao mesmo tempo similares, nos quais podemos observar as dimensões "micro" e "macro", em seus mútuos reflexos, e assim aproximarmo-nos de "compreensões". E construir uma Sociedade melhor...

Assim é desde tempos imemoriais, encontramos a arte da memória como veículo de comunicação de Saberes, Vivências, Crenças e Valores; sendo a transmissão uma Esperança que objectiva o prepetuar a marca de um Tempo, uma Época, de uma Geração, de uma Vida...
De Boca em Boca as Histórias caminham como memória Viva de um Povo...de uma Humanidade.


3 comentários:

brisa de palavras disse...

Olá
Voltei às tuas histórias para te pedir que vás ao meu pq me foi atribuido e que eu cahei que te deveria nomear.
Passa por lá
um abraço
brisa de palvras

TINTA PERMANENTE disse...

É,na verdade, com todas essas estórias que se faz a História, seja de um povo, de um grupo ou, até mesmo, de uma civilização.
Abraços!


p.s. - obrigado pela visita ao Arco-da-velha; espero-a nos outros...

Ana disse...

Antes de mais, obrigada pela porta que me abriste,epor teus elogios doces.
De letra em letra vamos criando novas histórias perpetuando mais histórias para um dia, mais tarde, viajarem entre bocas. Delicioso o teu blog!

Um beijinho